sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

O sonho de Deus




Lucas 15.11-24
11 Jesus continuou: “Um homem tinha dois filhos. 12 O mais novo disse ao seu pai: ‘Pai, quero a minha parte da herança’. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles. 13 Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha, e foi para uma região distante; e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente. 14 Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade. 15 Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para o seu campo a fim de cuidar de porcos. 16 Ele desejava encher o estômago com as vagens de alfarrobeira que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. 17 Caindo em si, ele disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome! 18 Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti. 19 Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados’. 20 A seguir, levantou-se e foi para seu pai. Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou. 21 O filho lhe disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filhoa’. 22 Mas o pai disse aos seus servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés. 23 Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e alegrar-nos. 24 Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado’. E começaram a festejar o seu regresso.”
O início do capítulo 15 do livro de Lucas nos revela uma situação na qual Jesus estava assentado com publicanos, pecadores e também com os fariseus. E naquele momento Jesus começa a ensinar algo através de três parábolas: a parábola da ovelha perdida, na qual um homem que tinha 100 ovelhas e perde uma, volta para buscar a que está perdida, e quando a encontra, se enche de alegria; a parábola da mulher que tinha 10 moedas e, perdendo uma, faz de tudo para encontrá-la, e quando a encontra, se enche de alegria; e termina contando a parábola de um pai que perdeu o seu filho, e quando o acha novamente, realiza uma festa e se alegra grandemente. O interessante foi pra quem Jesus contou estas três parábolas. Os publicanos eram cobradores de impostos, pessoas desonestas, que eram totalmente desacreditas pela sociedade da época devido a sua desonestidade. Tinham também os pecadores, de todos os tipos e pecados. Pessoas que eram marginalizadas pelas outras, pois não conseguiam corresponder ao padrão de vida que era exigido. Ou seja, Jesus conta estas parábolas para pessoas que por um motivo ou outro deixaram de sonhar, deixaram de viver uma vida plena.
Mas por que Jesus conta estas parábolas a este grupo de pessoas? Por que Jesus se assentava junto à mesa com pecadores sabendo que os fariseus estavam ali a todo tempo escarnecendo dele? Talvez por que Jesus conhecia o jugo pesado que estivesse sobre aquelas pessoas e que elas precisavam muito ouvir algo diferente daquilo que eles ouviam dos fariseus. Que eles precisavam ouvir algo novo para estimulá-los a viver e a sonhar novamente. Mas não apenas por isso. Mas por que aquelas pessoas faziam parte do sonho de Deus.
Neste trecho que acabamos de ler vê-se um jovem moço, que tinha sonhos que gostaria de realizar, tinha vontade de viver a sua vida. Um jovem que possuía muitas coisas: ele tinha uma família rica, uma herança junto ao pai, empregados para servi-lo de dia e de noite, etc. Mas ele quisesse viver os seus sonhos e talvez isso tenha sido a motivação do seu coração em ir ao seu pai e pedir a parte da herança que era dele. Todos nós temos e devemos ter sonhos. Sonhar é o combustível que move a nossa vida. Quando não sonhamos estamos mortos para a nossa própria existência. Vivemos a vida esperando o tempo passar para ver se algo acontece. E realmente vai acontecer: o caos. Aquele moço decidiu corretamente viver os seus sonhos, buscando realizá-los. Entretanto ele cometeu alguns erros que fez com que seus sonhos se frustrassem.
Não esperar o tempo certo para viver seus sonhos
Nos versículos 12 e 13 vemos o filho moço ir pedir ao seu pai a parte da herança que ele tinha e logo depois saindo de casa para viver seus sonhos. Herança é algo que nós não recebemos até que o pai morra, ou então quando decidi por vontade própria dividi-la e entregá-la aos seus filhos. Quando o filho moço decidiu pedir a sua parte da herança e foi viver seus sonhos, ele não esperou o tempo do seu pai. Quando não esperamos o tempo de Deus em nossas vidas e buscamos viver os nossos sonhos por acharmos que já “esperamos tempo demais”, existe uma grande possibilidade de não realizarmos os nossos sonhos e frustramos os nossos corações. No livro de Provérbios 21.5 diz: “Os planos bem elaborados levam à fartura, mas o apressado sempre acaba na miséria.”. E foi o que aconteceu com este jovem. Talvez ele até tenha planejado bem como ele iria realizar seus sonhos: “Ah! Meu pai é muito rico, eu vou ter muito dinheiro com a herança dele. Esse dinheiro nunca vai acabar, mas mesmo se acabar eu conseguirei um emprego e me mantenho.”. Mas a imaturidade cobrou seu preço e ele começou a viver irresponsavelmente. Muitas vezes o tempo de Deus é necessário para tirar de nós a nossa imaturidade e nos fazer crescer de forma que quando nos depararmos com situações que exijam de nós uma tomada de decisão, nós a possamos fazer de forma madura. Às vezes Deus tem muita pressa em realizar nossos sonhos, às vezes Deus não pressa alguma em fazer isso, pois quer tirar de nós a nossa imaturidade.
Viver uma ilusão pensando ser um sonho
Outro erro cometido pelo jovem moço foi achar que aquilo que ele vivia realmente era um sonho digno de ser vivido. A Bíblia não fala qual eram os sonhos daquele moço, mas fala da forma como ele passou a viver a vida dele após receber toda a herança: de forma irresponsável (v. 13b) ou de qualidade inferior, como diz em outra versão. Muitas vezes estamos vivendo ilusões pensando que são sonhos. Quantos de nós não já vivemos uma ilusão pensando ser um sonho? Alguma vez nós já não fomos enganados pelos desejos do nosso coração? Deixe-me contar uma história pra vocês de como o nosso coração é enganoso. Havia uma criança muito pobre que tinha um sonho de comer uma bola de sorvete com cobertura. Certa vez ela juntou uma quantidade de moedinhas e foi à sorveteria comprar seu tão sonhado sorvete. Chegando lá, encontrou uma garçonete, muito atarefada, que tinha o sonho de comprar uma bicicleta para ir trabalhar e ela ia conseguir isso através das gorjetas que ia recebendo. A criança pergunta quanto custa uma bola de sorvete com cobertura. A garçonete responde: “- 50 centavos”. A criança conta as moedinhas e pergunta de novo: “- E uma bola simples?”. “- 35 centavos. Vai decidindo aí que eu volto logo por que eu estou muito atarefada.” reponde a moça. Quando a garçonete volta, a criança diz que quer então uma bola simples de morango. A moça vai pegar a bola e dá pra criança. Então a criança deixa todas as moedinhas que ela tinha sobre o balcão e vai embora. Quando a garçonete começa a contar as moedinhas, seus olhos começam a encher de água e quando termina de contar, ela na resiste e vai aos prantos. A quantia de moedinhas deixada pela criança dava 50 centavos exatamente. Ela tinha pedido uma bola simples para ainda sobrar dinheiro para dar gorjeta àquela garçonete. Ela tinha deixado o seu sonho por causa de outro.
Mesmo dentro da igreja, às vezes pensamos que certos sonhos são de Deus quando na verdade são desejos dos nossos corações e pelo fato de não buscarmos uma resposta de Deus a respeito destes desejos, eles se tornam gigantes dentro de nós mesmos afetando até o nosso relacionamento com o Pai. Em Provérbios 16.1 temos: “ao homem pertencem os planos do coração, mas do Senhor vem a resposta da língua.”. Coloque seus desejos a Deus e espere a resposta dEle para saber se realmente vale a pena segui-los como sonhos.
Viver seus sonhos longe da presença do pai
Com certeza o maior erro do jovem moço foi viver a sua vida, os seus sonhos, longe da presença do pai. Quando ele estava com o pai, ele tinha tudo, tudo que eu o pai tinha era dele também, e seus sonhos com certeza poderiam ser realizados na presença do seu pai. Mas por quê? Por que nós somos o sonho de Deus. Mesmo o filho moço estando longe, em uma terra distante, o seu pai nunca esteve separado dele. Ele sabia de tudo que acontecia com seu filho. Sabia que ele estava passando por necessidades e por dificuldades e aguardava a volta do seu amado filho. A volta do seu sonho. Nós somos o sonho de Deus. Nós fomos idealizados e criados por Deus como a sua obra mais bela. A coroa da sua criação. Deus colocou em nós a sua perfeição, o seu amor, Deus nos deu o seu Espírito, a sua vida, e o seu filho para morrer por nós na cruz do Calvário mesmo nós ainda estando longe. O sonho de Jesus era a cruz, pois lá ele cumpriria o sonho do seu Pai. E Deus colocou em nós o seu sonho. Deus colocou em nós o sonho de irmos atrás da ovelha perdida, da moeda perdida, de irmos atrás do filho perdido, de falarmos a publicanos e pecadores que o seu filho, Jesus, realizou o seu sonho. Deus nos chamou para sermos vendedores de sonhos, do sonho de Deus.