domingo, 28 de dezembro de 2014

Expandindo o reino de Deus na terra através das Ofertas


Filipenses 4.15-19
15 E sabeis também vós, ó filipenses, que, no início do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja se associou comigo no tocante a dar e receber, senão unicamente vós outros;
16 porque até para Tessalônica mandastes não somente uma vez, mas duas, o bastante para as minhas necessidades.
17 Não que eu procure o donativo, mas o que realmente me interessa é o fruto que aumente o vosso crédito.
18 Recebi tudo e tenho abundância; estou suprido, desde que Epafrodito me passou às mãos o que me veio de vossa parte como aroma suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus.
19 E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades.

A Bíblia nos revela que a igreja em Filipos era uma igreja que ofertava de forma voluntária e generosa, sendo totalmente voltada para a obra missionária e para a expansão de reino de Deus na terra. Por diversas vezes, a igreja ajudou a manter o apóstolo Paulo enviando ajuda financeira quando aquele estava pregando em Tessalônica (4.15,16; veja Atos 16.11 e 17.4 e 2 Coríntios 8.1-5). Nesse sentido, o texto de Fp 4.15-19 apresenta três aspectos importantes para uma igreja que oferta de forma voluntária e generosa:
  • Tudo aquilo que era ofertado pela igreja a Paulo voltava como forma de crédito para a vida da igreja (v. 17). O melhor investimento dos nossos recursos e do nosso tempo é aquele que é feito para a obra de Deus, para a divulgação do Evangelho do nosso Jesus.
  • A oferta da igreja era um sacrifício pessoal que agradava ao coração de Deus (v. 18). Não é o objeto do sacrifício que agrada a Deus, mas o coração daquele que faz o sacrifício. "Deus ama a quem dá com alegria" (2 Coríntios 9.7);
  • Deus suprirá todas as necessidades, tanto materiais como espirituais, da igreja que oferta com generosidade (v. 19). Ofertar é um princípio de obediência e Deus não abandona quem é obediente a sua Palavra.


A igreja em Filipos deve ser vista como um modelo para as igrejas de hoje, no que diz respeito a ofertar para a obra de Deus. Eles não deram esperando receber bênçãos como forma de retribuição. Também não deram porque era algo que a “igreja” exigia. Mas deram com ânimo e com sinceridade de coração, sabendo que sua dádiva estava indo para a divulgação do evangelho e expansão do reino de Deus na terra.