sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

A vitória que vale a pena



2 Timóteo 4.6-8
6 Eu já estou sendo derramado como uma oferta de bebida. Está próximo o tempo da minha partida. 7 Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. 8 Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amam a sua vinda.
A maior vitória de um cristão é saber que ele chegará ao grande Dia do Senhor com a sensação de que valeu a pena. A certeza de que o sacrifício de Jesus na cruz do calvário não será em vão na vida dele e na vida de muitos outros, e que tudo que foi feito nesta vida, foi feito por amor a Cristo. Neste trecho que acabamos de ler na segunda carta a Timóteo, vemos o apóstolo Paulo em seus últimos momentos de vida que foram registrados na Bíblia, declarando que tudo que ele fez valeu a pena. Que toda cicatriz recebida, que toda dor sofrida, todo sofrimento suportado, tudo que ele passou, ele passou por entender que esta vida não merece ser vivida se não for vivida para Deus. Entretanto, o apóstolo da cruz, também tinha a plena convicção de que naquele grande Dia, a coroa da justiça, que é dada apenas aos vencedores, já estava reservada para ele. E não somente a ele, mas a todos que esperam e lutam pela vinda de Cristo. E esta é a certeza que devemos ter hoje. A certeza de que quando Cristo vier buscar sua igreja, a Noiva amada, nós possamos ouvir do nosso Mestre “servo bom e fiel, vem e receba a coroa da justiça”. Mas então o que devemos fazer para que essa certeza possa existir em nossos corações? Paulo mesmo nos dá as dicas no versículo 7.
1.    Combater o bom combate
Paulo chama de bom combate a luta cristã. Ele entendia que esta era a única luta que valia a pena lutar. A Bíblia nos mostra que Paulo lutou contra diversas coisas:
a)    Contra Satanás (Ef 6.12)
b)    Contra Teologias erradas dos judeus e pagãos (2 Tm 3.1-5; Rm 1.21-32; Gl 5.19-21)
c)    Contra o judaísmo (At 14.19; 20.19; Gl 5.1-6)
d)    Contra o pecado e a imoralidade na igreja (Rm 6; 1 Co 5.1)
e)    Contra os falsos mestres (2 Tm 4.3-5)
f)     Contra o mundanismo (Rm 12.2)
Todo cristão, independente do seu nível de espiritualidade e cargo dentro da igreja, enfrenta ao menos uma dessas lutas em comum: a influência das coisas mundanas. É fácil perceber que cada vez mais a igreja e os crentes de uma maneira geral estão sendo influenciados pelo mundo, por aquilo que vem de fora da igreja pra dentro. Quando na verdade, o fluxo de influência deveria ser totalmente o oposto: de dentro da igreja para fora. A igreja deve influenciar o mundo e não o contrário. Cada vez mais vemos uma igreja que quer se parecer com o mundo para que esta mesma igreja não seja excluída do mundo. Não estou falando aqui de usos e costumes, nem de determinados estilos ou gêneros musicais, mas de algo mais profundo: de padrão de vida. A igreja é rodeada por vários tipos de mundanismo tais como egoísmo, cobiça, oportunismo, corrupção, conceitos humanistas, todo tipo de perversão e imoralidade sexual, drogas, etc. E o mundo vem oferecendo isso para a igreja como se esta fosse a única forma da sociedade aceitar os “crentes”. Entretanto, nós como filhos do Deus Justo, devemos aborrecer aquilo que é mau e amar a justiça. Devemos resistir às formas prevalecentes e populares de proceder deste mundo e em lugar disso proclamar as verdades eternas e os padrões justos da Palavra de Deus por amor a Cristo.
A igreja deve ser diferente do mundo e nós somos a igreja. A Bíblia nos ensina algo tremendo no capítulo 1 de Daniel. Em Daniel 1.8 (Daniel, porém, decidiu no seu coração não se contaminar com a comida do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos oficiais, permissão para não se contaminar com eles.) vemos que ele e seus amigos decidiram não se contaminar com as coisas da Babilônia. Decidiram não se corromper com o sistema de vida predominante naquele império. E por causa disso, Deus os honrou de sobremaneira sobre todos os outros jovens da Babilônia (Daniel 1.19: Então o rei conversou com eles; e entre todos eles não foram achados outros tais como Daniel, Hananias, Misael e Azarias; por isso ficaram assistindo diante do rei.). Daniel e seus amigos decidiram ser diferentes do mundanismo operante na Babilônia. Se o crente se esforça para ser fiel a Deus e não se corromper com as coisas que o mundo oferece, pode ficar certo de que Deus será com ele e lhe dará a ajuda e a graça necessárias para ele execute a sua vontade. Vai valer a pena você ser diferente no seu ambiente de convívio, no seu trabalho, na sua escola, na sua família, etc. fazendo a vontade de Deus em tudo.
2.    Terminar a corrida: ser perseverante nas tribulações
Paulo é conhecido como o “apóstolo da cruz”, pois viveu intensamente as maiores tribulações que um Cristão pode suportar assim como Cristo. Logo ele, que antes de se converter a Deus era caçador e assassino de Cristãos.
Em Hebreus 12.1,2 lemos:
1 Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, 2 tendo os olhos fixos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus.
Já em Romanos 5.3,4 temos:
3 E não somente isso, mas também gloriemo-nos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a perseverança, 4 e a perseverança a experiência, e a experiência a esperança.
Temos aqui mais uma vez Paulo ensinando que se deve ser perseverante nas tribulações que enfrentamos durante a caminhada cristã. Por quê?
a)    A tribulação vai produzir em nós virtudes que nos ajudarão a cada vez mais caminhar dentro do Reino de Deus: perseverança, experiência, e esperança.
  • Perseverança: é a constância, a persistência, a vontade de ir até o fim.
  • Experiência: é a capacidade que Deus nos dá para enfrentarmos desafios ainda maiores.
  • Esperança: é a certeza de que tudo no fim vai dar certo, de que tudo vai valer a pena.


b)    Nas tribulações Deus está implantando em nós o seu caráter. Ml 3.3: Ele se assentará como um refinador e purificador de prata; purificará os levitas e os refinará como ouro e prata. O ourives refina a prata bruta, sem forma, submetendo esta prata a altas temperaturas durante horas e horas e só termina o seu trabalho quando vê refletido nela a sua imagem.
c)    Nas tribulações Deus está nos mostrando que nós somos importantes para ele. No livro de Jó 7.17,18 lê-se um texto maravilhoso: 17 que é o homem para que lhe dês importância e atenção, 18 para que o examines a cada manhã e o proves a cada instante?
Quando as provações que passamos são provações de Deus, elas servem para nos trazer para mais perto de Deus. É como se Deus estivesse dizendo: “Olha, eu estou aqui. Me dê sua atenção. Faça-me importante em sua vida, pois você é muito importante para mim.”
3.    Guardar a fé
Paulo enfrentou a tudo e a todos para manter a sã doutrina intacta e não permitir que outros ensinos, senão os de Cristo fossem infiltrados na igreja. Guardar a fé significa se esquivar de todo ensino, doutrina que mude o Evangelho de Jesus por outro evangelho. Mas há também outro significado: quando guardamos a fé, estamos afirmando que o verdadeiro combate será combatido e que a carreira será cumprida apesar das tribulações. Guardar a fé é ter a convicção de que realmente esta é a luta é que vale a pena ser lutada. Guardar a fé é saber que cada lágrima derramada, cada tempo investido dentro do Reino, valeu a pena. Guardar a fé é confirmar que o sacrifício de Jesus na cruz do calvário não foi em vão em nossas vidas. Que cada gota de sangue derramada pelo nosso Redentor, valeu a pena em nossas vidas. Guardar a fé é ter certeza de que naquele grande dia o Senhor nos chamará em glória, poder e honra, e nos galardoará segundo o nosso amor à obra. Guardar a fé ter a certeza da permanência eterna com Cristo.
Apocalipse 3.21: Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em meu trono, assim como eu também venci e sentei-me com meu Pai em seu trono.
2 Timtóteo 2.12a: se perseveramos, com ele também reinaremos.
Que esta seja realmente a vitória que vale a pena em nossas vidas. Amém!
Que Deus nos abenços.
Guilherme Soares